O URSO TERRORISTA e outras histórias de cinema, teatro e televisão

O URSO TERRORISTA E OUTRAS HISTÓRIAS DE CINEMA,TEATRO E TELEVISÃO

Contos saborosos, divertidos e irresistíveis desse universo mágico que permeia a alma do artista.

Artêmio Siqueira, um ator das antigas, está em uma peça de teatro onde aparece apenas no início e no final. Um dia, entediado, resolve ir até um bar para tomar uma cerveja enquanto rola o espetáculo, e isso vira um hábito. Até que…. Pedro Borges, considerado um dos melhores atores do Brasil, retorna à sua cidade natal para a apresentação de uma peça de sucesso e, no momento de maior intensidade, dá um branco. Teatro João Caetano, estreia de “Lampião”, com o famoso ator Carlos Vianna no papel título. Quando solenemente diz “Meu nome é Lampião, cabra valente do sertão”, uma voz vem lá do fundo e acaba com ele: “Cala a boca, baixinho!”.

Em 21 saborosas histórias como essas, o tom descontraído e a linguagem apurada do autor mapeiam as emoções. “Afinal, contar histórias é o que o brasileiro sabe fazer de melhor. Melhor até que jogar sinuca”, explica o cineasta e escritor Mario Masetti. E o livro faz jus ao título. Inicialmente seria uma série de TV intitulada “Sai Dessa”, mas o projeto ainda não se concretizou. As histórias ficaram paradas, mas seus personagens teimavam em voltar e brigar por um papel. Mario resolveu transformar os textos em contos, aproveitando a força da realidade com uma boa dose de ficção.

Além do material de pesquisa e as histórias selecionadas, outra fonte de inspiração foi o filme “Boleiros”, de Ugo Georgetti, amigo querido e com quem já fez vários filmes, companheiro de muitas conversas para pensar a vida. “O Ugo dizia que Boleiros poderia ser sobre poetas, contadores, advogados, arquitetos, o que vale mesmo é que todo mundo vai pro boteco sexta-feira à noite para desestressar e trocar histórias”.

Mario afirma que todas as saias justas são verdadeiras, a maior parte delas ele ouviu de um grupo de atores que semanalmente se reúne em um boteco para jogar sinuca, tomar cerveja e conversar. Ele optou por não colocar os nomes reais dos personagens que protagonizaram essas situações engraçadas e emocionais. “Tive a preocupação de não entregar ninguém e não criar constrangimentos, mas todas essas histórias aconteceram mesmo”, garante.

Para ele, o livro tem como objetivo, além do entretenimento, formar um painel da atividade artística brasileira, contemplando o que a profissão tem de mais essencial: a diversão, a solidariedade e a capacidade de se livrar dos piores “micos” com bom humor e comprometimento.

No prefácio, o autor, dramaturgo, diretor e jornalista Oswaldo Mendes sinaliza até uma continuação: “Mario Masetti, que por décadas transita nessas três áreas de criação, reúne neste livro alguns casos que, ele diz, são uma pequena amostra de como levamos a nossa vida. Mais que isso, desvendam as pequenas misérias e grandezas de um cotidiano de equilibristas apaixonados pelo seu fazer. Casos que ajudam a compor a biografia de consagrados e anônimos profissionais, atores famosos e obscuros contrarregras ou cenotécnicos. Casos que, de tantos, certamente deverão inspirar o autor a escrever novas coletâneas como esta”.

As histórias não vão interessar apenas a quem é do ramo, salienta Masetti, e acredita que o livro tem tudo a ver com a nova geração: “Hoje em dia, é difícil dizer qual é o jovem que não pensou em ser artista, participar de um grupo de teatro, fazer televisão, ter sua banda, fazer literatura, grupo na periferia, na escola. A ideia dos coletivos, dos grupos, está voltando à tona de uma maneira muito efetiva. Acho que o livro tem um humor que mostra o mundo da cultura e das artes em geral de uma maneira acessível para espectadores jovens. E os artistas que tiveram perto dessas situações vão relembrar com muita alegria.

O AUTOR

Mario Masetti nasceu em São Paulo/SP em 1951 e faleceu em dezembro de 2016.Trabalhou como assistente de Augusto Boal, no Teatro de Arena de São Paulo, e Fernando Peixoto nos espetáculos Tambores na Noite, Um Grito Parado no Ar e Calabar.  Estreou como diretor teatral em 1975 com Porandubas Populares, ganhando o premio APCA como Diretor Revelação. Depois vieram os espetáculos Fogo Paulista (Prêmio Mambembe),  Sai da Frente que Atrás vem Gente, A Lenda do Vale da Lua (Prêmio Moliere), Fogo na Terra, Casa de Brinquedos, Bixiga, entre outros. Como produtor e diretor assistente, participou em mais de 20 filmes ao lado de Maurice Capovilla, Leon Hirszman, João Batista Andrade e Ugo Giorgetti. Dirigiu programas para a TV Manchete (Os Brasileiros), TV Globo (Globo Repórter, Telecurso-tec), TV Cultura de São Paulo (Almanaque Educação, Cambalhota, Teatro Ra-tim-bum) e TV Brasil (Almanaque Brasil, Resistir é Preciso) e os curtas Anachronique e Véspera de Natal. Publicou o livro Por Amor, pela Sá Editora em 2013. Dirigiu os programas do Canal Educar da Abril Educação. Foi professor na Escola de Arte Dramática EAD-USP e no curso de Audiovisual na Escola de Comunicações da USP.

E-book: você pode ler o livro em seu tablet, Ipad ou celular, comprando e baixando o texto direto das livrarias que vendem livros digitais!

Impresso: ainda estamos comercializando parte da tiragem impressa deste livro.

428678_4817728482361_587250680_n